Comentário devocional do Apocalipse

28/02/2007

 

Apocalipse 9.13-21

13 E tocou o sexto anjo a sua trombeta, e ouvi uma voz que vinha das quatro pontas do altar de ouro, que estava diante de Deus,
14 A qual dizia ao sexto anjo, que tinha a trombeta: Solta os quatro anjos, que estão presos junto ao grande rio Eufrates.
15 E foram soltos os quatro anjos, que estavam preparados para a hora, e dia, e mês, e ano, a fim de matarem a terça parte dos homens.
16 E o número dos exércitos dos cavaleiros era de duzentos milhões; e ouvi o número deles.
17 E assim vi os cavalos nesta visão; e os que sobre eles cavalgavam tinham couraças de fogo, e de jacinto, e de enxofre; e as cabeças dos cavalos eram como cabeças de leões; e de suas bocas saía fogo e fumaça e enxofre.
18 Por estes três foi morta a terça parte dos homens, isto é pelo fogo, pela fumaça, e pelo enxofre, que saíam das suas bocas.
19 Porque o poder dos cavalos está na sua boca e nas suas caudas. Porquanto as suas caudas são semelhantes a serpentes, e têm cabeças, e com elas danificam.
20 E os outros homens, que não foram mortos por estas pragas, não se arrependeram das obras de suas mãos, para não adorarem os demônios, e os ídolos de ouro, e de prata, e de bronze, e de pedra, e de madeira, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar.
21 E não se arrependeram dos seus homicídios, nem das suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos seus furtos.


O sexto anjo toca sua trombeta...

Ao seu toque, uma voz parte dos quatro ângulos do altar de ouro que está na presença de Deus. Essa voz dá uma ordem ao anjo que tocou a trombeta. Ele pode soltar os 4 anjos que estavam só esperando a hora de agir.

Esses anjos estavam presos, o que indica que não poderiam agira antes do tempo certo, antes do momento que o Senhor permitisse. E diferentes dos tormentos que acontecem depois que o quinto anjo toca a sua trombeta, onde os seres humanos não seriam mortos, mas afligidos, esses anjos podem e vão matar 1/3 da população que ainda estiver por aqui naquele momento da história. Quem ainda estiver por aqui nesse momento da Tribulação, verá uma em cada três pessoas vivas, morrerem.

Um exército numeroso vem contra a humanidade nesse momento. Poderíamos pensar em armas, talvez atômicas, não sei. Mas pelo que o texto revela, parece que será de forma sobrenatural que as mortes irão acontecer. Os tormentos causados até a morte serão sentidos e notados, mas a causa parece ser sobrenatural. Não parece que algo físico será usado, mas, claro, não dá pra descartar essa possibilidade, diante de tantas armas e de tipos tão variados que o ser humano cria.

Parece que as mortes serão de forma sobrenatural, porque o texto deixa claro que a rebeldia, mesmo diante das mortes, continua. Não há arrependimento! Se for de forma física, do que as pessoas precisariam se arrepender ou por que seriam levadas ao arrependimento em relação a Deus? O Senhor chama o ser humano ao arrependimento mas esse, mesmo diante da dificuldade e até da mais séria revelação possível, muitas vezes não se arrepende de seus erros.

Nesse tempo onde a Ira irá se manifestar com força, ainda assim, o ser humano não parece que vai entender a verdade da parte de Deus. Que o Espírito Santo possa agir hoje, em nós e através de nós, para que possamos ajudar pessoas a entenderem a verdade do que está por acontecer. Que nós não atrapalhemos esse processo! E que mais pessoas tenham a chance de não experimentar a Ira Divina, mas que tenham a chance de participar da Bodas do Cordeiro! Maranata!
 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 28/02/07 por e-mail.