Comentário de Epístola: Colossenses

05/02/2007

 

Data
Paulo nunca tinha visitado Colossos, uma pequena cidade na província da Ásia, cerca de 160 km de Éfeso. A igreja chegou naquela cidade por conta de seu ministério de três anos em Éfeso, por volta de 52 –55 dC (Atos 19.10; 20.31). Epafras, alguém da cidade e provavelmente convertido pelo apóstolo, talvez tenha sido o fundador e líder da igreja (Colossenses 1.7-8; 4.12-13). 

Estudiosos conservadores acreditam que esta carta foi escrita durante a primeira prisão de Paulo por Roma, por volta de 61 d.C. Em algum momento na prisão, Paulo foi solicitado por Epafras e prestou sua ajuda para lidar com a falsa doutrina que ameaçaca a igreja em Colossos (Colossenses 2.8-9). Aparentemente, essa heresia era um mistura de paganismo e ocultismo, legalismo judaico e Cristianismo. O erro parece com uma antiga forma de gnosticismo, que ensinava que Jesus não era nem completamente Deus e nem completamente homem, mas apenas um dos seres semidivinos que ligavam o abismo entre Deus e o mundo.

A Carta
Nenhum outro livro do Novo Testamento, nem carta, nem evangelho, nem texto histórico ou profético, apresenta mais completamente autoridade universal de Cristo ou a defende com tanto cuidado. Combativo em tom e abrupto em estilo, Colossenses tem uma semelhança próxima com Efésios em linguagem e assunto.
Os falsos mestres em Colossos tinham rebatido algumas das principais doutrinas do Cristianismo, nada menos que a divindade, a autoridade absoluta e suficiência de Cristo. Colossenses apresenta Cristo como o Senhor supremo em cuja suficiência o crente encontra perfeição (Colossenses 1.15-20). Os primeiros dois capítulos apresentam e defendem essa verdade; os últimos dois desvendam as implicações práticas.

A supremacia de Jesus Cristo depende da unicidade dele com o eterno e amado Filho e Herdeiro de Deus (Colossenses 1.13,15). Nele habita a totalidade dos atributos, essência e poder divinos (Colossenses 1.19; 2.9). Ele é a revelação e representação exata do Pai e tem prioridade em tempo e primazia em categoria sobre toda a criação (Colossenses 1.5). Sua suficiência depende de sua superioridade. A convicção da soberania absoluta de Cristo impulsionou a atividade missionária de Paulo (Colossenses 1.27-29).

Esboço de Colossenses
1. Saudação 1.1-2

2. Ação de Graças 1.3-8

3. Oração 1.9-12

4. A obra de Deus em Cristo 1.13-23
  Redenção 1.13-14
  A excelência de Cristo 1.15-19
  A Reconciliação 1.20-23

5. O Ministério de Paulo 1.24-2.3

6. O ensino falso é denunciado 2.4-23
  Andando em Cristo 2.4-7
  O término da obra de Cristo 2.8-15
  Exortação contra o ritual elaborado 2.16-23

7. A vida cristã 3.1-4.6
  A nova e a antiga aliança 3.1-11
  O exercício das virtudes cristãs 3.12-17
  Relações familiares e sociais 3.18-4.1
  Exortação à oração e ao andar em Sabedoria 4.2-6

8. Conclusão 4.7-18
  A missão de T[iquico 4.7-9
  Saudações 4.10-17
  Assinatura 4.18

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 05/02/07 por e-mail.