Comentário de Epístola: 2 Coríntios

08/01/2007

 

Data
2 Coríntios reflete, de várias maneiras, o tratamento de Paulo com a Igreja de Corinto durante o período da fundação, por volta de 50 d. C., até a redação desta epístola, em 55 ou 56 d. C.
 
Contexto Histórico
 
A visita de Fundação a Corinto durou cerca de dezoito meses, como vemos em Atos 18.11. Além disso, não podemos esquecer que possivelmente Paulo escreveu uma carta anterior à 1 Coríntios que não temos acesso (1 Coríntios 5.9).

Paulo escreveu 1 Coríntios possivelmente em Éfeso por volta de 55 d.C. Uma breve porém dolorosa visita a Corinto causou “tristeza” a Paulo e à igreja (2 Coríntios 2.1; 13.2). Depois dessa dolorosa visita, Paulo escreveu um epístola severa, entregue por Tito (2 Coríntios 2.4; 7.6-8), talvez mais uma carta perdida ou até as partes mais duras da primeira carta que nós temos em nossa Bíblia.

Paulo escreveu 2 Coríntios da Macedônia, durante seu caminho de volta a Corinto, em 55 ou 56 d.C.

A visita final de Paulo a Corinto (Atos 20), provavelmente, tenha ocorrido quando ele escreveu Romanos, pouco antes de voltar a Jerusalém. A visita dolorosa, que Atos não registra, e a carta severa fornecem pano de fundo imediato para a redação de 2 Coríntios.
 
Não possuímos a epístola Severa, embora alguns estudiosos tenha sugerido que 2 Coríntios 10-13 possa ter sido parte dela, e a mesma então passou a fazer parte da 2ª carta. Pode ser também que trechos da 1ª carta façam parte dessa epístola. Entretanto, não há evidências manuscritas que fundamentem esse ponto de vista.
  
A Carta
2 Coríntios é a mais autobiográfica das epístolas de Paulo, contendo inúmera referências às dificuldades que ele enfrentou no curso de seu ministério (11.23-33). Paulo as menciona para estabelecer a legitimidade de seu ministério e para ilustrar a natureza de verdadeira espiritualidade, além, é claro, de mostrar que era realmente ele, pois muitas cartas eram escritas em nome dele e algumas não eram dele. Por isso ele assina a carta aos Gálatas, mas veremos isso em outro momento.

Ao defender seu ministério, Paulo abre seu coração, mostrando sua profunda emoção. Ele revela o seu forte amor pelos coríntios, seu zelo ardente pela glória de Deus, sua lealdade inflexível à verdade do evangelho e sua indignação implacável ao confrontar aqueles que rompem o companheirismo da igreja. Sua vida estava inseparavelmente ligada à dos convertidos, e ele não era profissionalmente frio em seu ministério (1.6; 5.13; 7.3-7;11.2; 12.14-15).

2 Coríntios consiste de três partes principais. Os primeiros sete capítulos contêm a defesa de Paulo sobre a sua conduta e o seu Ministério. A segunda parte, caps. 8-9, trata da oferta sendo levantada por Paulo para os santos pobres da Judéia e a terceira parte, os caps 10-13, contêm uma mensagem de reprimenda aos caluniadores existentes na igreja.
  
Esboço de 2º Coríntios 
I. Saudação 1.1-2
  
II. Explicação do Ministério de Paulo 1.3-7.16
  Ação de Graças pelo conforto Divino 1.3-11
  A sinceridade de Paulo 1.12-14
  Paulo explica a sua demora em ir a Corinto 1.14-2.4
  Perdoando o ofensor 2.5-11
  A intranquilidade de Paulo não encontrando Tito 2.12-13
  Natureza do ministério cristão 2.14-7.4
  A chegada de Tito 7.5-16
  
III. Generosidade ao dar 8.1-9.15
  A oferta das Igrejas da Macedônia para os pobres da Judéia 8.1-15
  Uma delegação honrada 8.16-24
  Bênção de dar 9.1-16
  
IV. Defesa e uso da autoridade apostólica 10.1-13.10
  Repreensão por avaliação superficial 10.1-11
  Repreensão por comparações tolas 10.12-18
  Zelo de Deus pela Igreja 11.1-4
  Comparação com falsos apóstolos 11.5-15
  Tolerância mal orientada dos coríntios 11.16-21
  Jactância relutante de Paulo 11.22-12.13
  Anúncio da terceira visita 12.14-13.10

V. Saudações finais 13.11-14

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 08/01/07 por e-mail.