Comentário de livro Bíblico: Daniel

14/08/2006

 

Santo, Santo, Santo é o Senhor!
 
Seguimos com o “resumo livre da Bíblia”, hoje tratando sobre o livro de Daniel:
 
Autoria
Entendemos que o próprio Daniel é autor do livro, o mesmo que foi deportado, tudo indica que ainda novo, para a Babilônia, onde deve ter vivido mais de sessenta anos. Isaias (39.7) havia profetizado a deportação para a Babilônia dos descendentes da família real. E no capítulo 1 de Daniel fica claro que quando os da família real são levados, Daniel está entre os que vão.

Há quem entenda que esse livro foi escrito anos depois da vida desse servo e que teria sido escrito por outras pessoas. Mas encontro indício muito claro que Daniel é o autor, ao menos da parte das visões, a partir do capítulo 7 (o desenvolvimento maior das visões se dá no capítulo 8, é verdade, mas já no capítulo 7 temos um início), onde Daniel se refere a si mesmo na primeira pessoa do singular. Antes, há algumas referencias na terceira pessoa do singular, o que me faz pensar que alguém encontrou o texto de Daniel no que se refere às profecias, pesquisou sobre a vida desse profeta e acrescentou ao texto a primeira parte, além de fazer os arranjos necessários no texto para dar coerência literária ao que estava escrito. Com isso, a parte das profecias, a que entendo como a mais importante desse livro, é relato do próprio Daniel, na minha opinião. E alguém diante desse relato, pesquisou sobre a vida de Daniel, ou até mesmo o conheceu e escreveu pouco tempo depois, dando a nós a integridade do livro que conhecemos, com sua parte histórica e das profecias.

A importância de Daniel como profeta foi confirmada por Jesus em Mateus 24.15.

O seu nome significa “Deus é meu juiz”. E sua inabalável consagração a Jeová e sua lealdade ao povo de Deus comprovaram fortemente essa verdade na vida desse profeta.

Data
Embora o cerco e a deportação de cativos para a Babilônia tenha durado vários anos, os homens fortes e corajosos, os habilitados e os instruídos foram retirados de Jerusalém logo no início da guerra (2 Reis 24.14). Sua profecia abrange o espaço de tempo de sua vida. E como ao menos a parte das profecias foi escrita por ele mesmo, a data de seu livro gira em torno do tempo da sua vida, talvez um pouco mais para a complementação com a parte histórica que pode ter sido realizada por outra pessoa que se preocupou em deixar bem claro o que eram os escritos de Daniel e quem era esse profeta.

O Livro:
O propósito é mostrar que o Deus de Israel, o único Deus, mantém sob seu controle o destino de todas as nações.

Com esse norte, Daniel se compõe de três partes que entendemos como principais: Introdução à pessoa de Daniel (1), os testes decisivos do caráter de Daniel e o desenvolvimento de suas habilidades de interpretação profética (2-7) e a série de visões de Daniel sobre reinos e acontecimentos futuros (8-12). E nesta parte final, que entendo como a mais importante do livro, Daniel se apresenta como livro profético básico para a compreensão de muitas coisas da Bíblia. Muitos aspectos de profecias relacionadas com os tempos do fim dependem da compreensão deste livro. Os comentários de Jesus no Sermão do Monte das Oliveiras (Mateus 24; 25) e muitas das revelações dadas ao apóstolo Paulo encontram harmonia em Daniel (ver Romanos 11; 2 Tessalonicenses 2). Da mesma forma, Daniel se torna um companheiro de estudo necessário do Livro de Apocalipse.
 
Esboço de Daniel
I. As convicções religiosas de Deus 1.1-21
  O exílio de Judá 1.1-2
  A decisão de Daniel de manter-se separado 1.3-21
 
II. O primeiro sonho de Nabucodonosor 2.1-49
  O sonho esquecido 2.1-28
  A revelação e a interpretação de Daniel 2.29-45
  Daniel é honrado através de promoção 2.46-49
 
III. A libertação da fornalha de fogo 3.1-30
  Convocação para adorar a estátua de ouro 3.1-7
  A recusa dos três hebreus de se prostrarem perante a estátua 3.8-18
  Os três hebreus são miraculosamente protegidos 3.19-25
  O rei confessa o Deus verdadeiro 3.26-30
 
IV. O segundo sonho de Nabucodonosor 4.1-37
  O sonho de Nabucodonosor 4.1-37
  A Interpretação da Daniel 4.19-27
  O cumprimento do sonho 4.28-33
  A oração e restauração de Nabucodonosor 4.34-37
 
V. A festa blasfema de Belsazar 5.1-31
  A escrita manual na parede 5.1-9
  A interpretação de Daniel da escritura 5.10-31
 
VI. Daniel na cova dos leões 6.1-28
  Complô contra Daniel 6.1-9
  Daniel é lançado na cova dos leões 6.10-17
  Daniel é liberado 6.18-28
 
VII. A primeira visão de Daniel 7.1-28
O sonho da Daniel sobre os quatro animais 7.1-14
A Interpretação de Daniel 7.15-28
 
VIII. A segunda visão de Daniel 8.1-27
  O sonho de Daniel sobre um carneiro, um bode e sobre os chifres 8.1-14
  A interpretação de Gabriel 8.15-27
 
IX. A profecia das setentas semana 9.1-17
  A oração de Daniel 9.1-19
  A Visão da Daniel 9.20-27
 
X. A visão final de Daniel 10.1-12.13
  A visão de Daniel de um ser glorioso 10.1-9
  A visita de um anjo 10.10-21
  Guerra entre reis do Norte e do Sul 11.2-45
  O tempo da tribulação 12.1-13

 

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor

Esta meditação foi enviada em 14/08/06 por e-mail.